Rotary RJ Ilha do Governador

O Rotary Faz a Diferença

Eventos

Em Notícias de Rotary International, de 24 de Setembro de 2010, Ryan Hyland  apresenta matéria sobre os laços duradoros que os Intercâmbios de Jovens podem criar. Veja a matéria completa a seguir.

Antonio Herrera se emociona sempre que reencontra Jerry Hall, antigo vice-presidente do RI, que foi seu anfitrião quando participou do Intercâmbio de Jovens do Rotary em 1980. 

Herrera, que tinha 16 anos na época, saiu do Chile para se hospedar na casa de Hall em Reno, EUA. Ele diz que jamais vai se esquecer de como Hall o ajudava diariamente com a leitura de livros para a escola.

   Jerry Hall, antigo vice-presidente do RI; Tasha, sua esposa; e Antonio Herrera se encontram na Convenção do RI em Montreal, Canadá, em junho.

Foto cedida por Jerry Hall

"Ele sempre me pedia para ler os livros para ele", conta Herrera. E demonstrava interese  verdadeiro no meu aprendizado do idioma. Os valores que aprendi com Jerry e sua família foram muito importantes. Eles sempre me trataram como parte da família; é por isso que me emociono quando os vejo."

Atualmente, Herrera é vice-diretor de uma escola em Syracuse, Nova York. Em 2003, ele se tornou associado do Rotary Club de Syracuse Sunrise. Embora seu trabalho o tenha forçado a se afastar temporariamente do clube, ele diz que é importante que participantes do Intercâmbio de Jovens continuem envolvidos com o Rotary.

"O programa me abriu muitas portas", ele conta. "Aprender um novo idioma me ajudou muito a ser quem eu sou hoje."

Hall diz que a experiência é também muito gratificante para as famílias.

"O lado mágico do Intercâmbio de Jovens é que você aprende com o participante, assim como ele aprende com você", diz Hall, associado do Rotary Club de Reno, EUA. "Mesmo morando em diferentes partes do mundo, há muitas coisas que temos em comum."

"Antonio era um aluno super sério e estudioso", lembra Hall. "Ele sempre fazia perguntas e tinha muito interesse em saber sobre nossa cultura."

Hall já recebeu 13 estudantes em sua casa desde Herrera e diz que cada um deles enriqueceu sua vida de maneira diferente.

"Ver os jovens amadurecerem é algo incrível", ele diz. "O programa Intercâmbio de Jovens realmente faz a diferença na vida das pessoas."

Segundo Hall, a parte mais difícil é quando eles vão embora. "É a mesma sensação de quando um filho se muda da casa dos pais. Os vínculos que criamos com os estudantes é muito forte."

Hall acredita que a parte mais importante do programa é a comunicação.

"As famílias anfitriãs devem fazer com que os estudantes se sintam à vontade", ele explica. "É um programa muito bom, que muda a forma como as pessoas pensam."

Os laços entre Hall e Herrera continuam fortes, mesmo depois de 30 anos. Eles se encontram de vez em quando e se viram pela última vez na Convenção do RI em Montreal, Canadá. 

Enviado por Luiz Carlos em Seg, 27/09/2010 - 23:18 , em

Por trabalhar para um político em Oklahoma, EUA, Mark Mann já participou de diversas reuniões de grupos cívicos. Então, quando um de seus amigos pediu que considerasse a ideia de se associar a um Rotary Club, ele não ficou nem um pouco entusiasmado. 

"Eu disse: Nem pensar!", lembra Mann. Algumas semanas depois, seu amigo voltou a insistir no assunto, dizendo que o Rotary Club de Bricktown Oklahoma City era diferente. "Nós não cantamos, temos ótimas palestras e projetos comunitários muito bons", seu amigo explicou. 

"Eu assisti a algumas reuniões e decidi que era uma boa opção para mim", diz Mann, que agora está servindo como presidente do clube, o qual completou seu sétimo aniversário no dia 11 de setembro e tem mais de 60 associados com idade média de 35 anos. Mann e Lealon Taylor, ex-presidente do clube, acham que diversos fatores vêm ajudando a atrair e reter associados jovens. 

Para começar, o clube se reúne em um bar. Na primeira vez em que um convidado participa de uma das reuniões, ele recebe duas bebidas grátis, pagas pelo clube. 

"É importante escolher um local que seja divertido e popular", explica Taylor. "Nós nos reunimos na cervejaria Bricktown Brewery, um local muito conhecido. É fácil convidar os amigos para ir ao bar, tomar alguns drinques e se informar mais."

Os fundadores do clube decidiram que o horário das reuniões deveria ser às 17h30. Depois de 15 minutos de socialização, é hora da reunião em si, que não leva mais de 45 minutos. Alguns dos associados até saem para jantar depois. 

"Na minha opinião, pessoas de 20 ou 30 anos não vão levantar cedo para ir a uma reunião", afirma Taylor. "E almoçar toda semana é difícil para quem trabalha. O taxa de frequência em nossas reuniões é alta porque as realizamos depois do trabalho num bar no centro da cidade, o que é divertido." 

 

 

Com a mão na massa

Mas apenas diversão não é o suficiente. É importante também que os associados sejam participativos de outras maneiras.

"Pessoas mais jovens querem ser atuantes", diz Taylor. "Uma das metas de nosso clube é implementar um projeto humanitário por mês e incentivar todos a participarem ao máximo. Além disso, também fazemos parte de um grande projeto internacional." 

O clube é parceiro do Rotary Club de Carlsbad, EUA e do Rotary Club deTecate, México, em um projeto de uma clínica para tratamento de crianças com lábio leporino em Tecate.  

As atividades do clube também envolvem os familiares dos rotarianos. "Alguns anos atrás, levei meu filho em uma caminhada pelo Mal de Alzheirmer", conta Mann. "Muitos de nossos associados levam suas crianças e cônjuges aos projetos ou mesmo às reuniões." 

Mann e Taylor já ouviram críticas dizendo que quantidade não significa qualidade. Mas eles afirmam que o clube não mantém pessoas que não demonstrem comprometimento. No ano passado, todos os associados do clube participaram de pelo menos um projeto na comunidade.  

Mann vê um futuro promissor para o Rotary. "Sempre haverá sofrimento humano e desastres naturais", ele diz. "Sempre haverá a necessidade de que trabalhemos para ajudar as pessoas e solucionemos problemas de forma eficaz. E é isso que o Rotary faz."

Enviado por Luiz Carlos em Qui, 23/09/2010 - 20:43 , em

Já está disponível o Boletim Semanal N° 11 do Rotary RJ Ilha do Governador.


Caso não consiga ler o Boletim, clique aqui e visualize-o em texto corrido.

Enviado por Luiz Carlos em Qui, 23/09/2010 - 19:20 , em

Hoje é o Dia Internacional pela Paz e o Rotary International faz sua parte promovendo-o com votos de bom entendimento entre os povos do mundo.
Veja o vídeo.


Enviado por Luiz Carlos em Ter, 21/09/2010 - 01:20 , em

Aproxima-se o mês de outubro e, com ele, o “Dia das Crianças”. Seu filho (neto, sobrinho) já começa a fazer pedidos, sonhando com os presentes que irá ganhar. E você já nem sabe onde colocar tantos brinquedos – com muitos deles sua criança nem brinca mais.

Além dos meninos e meninas da sua família, há muitos outros que também sonham, e muito, em ter um brinquedo. Não importa seu preço: o importante é que seja, simplesmente, um brinquedo. Essas crianças às quais me refiro passam por muitas dificuldades e privações e são, apenas, CRIANÇAS. Elas não têm brinquedos, alimentação adequada, conforto e, muitas vezes, nem um teto. Porém, lembre-se, são apenas CRIANÇAS. Algumas não têm sequer o carinho dos pais, da família ou da comunidade, mas nem por isso deixam de ser, apenas, CRIANÇAS - com todas as necessidades e em formação, como as que vivem em nossas casas. Como podemos esperar um mundo melhor se a base não for sólida? Pense na construção de uma casa, por exemplo: ainda que seja bonita e aparentemente sólida, o que acontecerá se os seus alicerces tiverem sido feitos com areia? As crianças são os alicerces do futuro. O que poderemos esperar se elas não forem bem formadas? Como poderão ser justas e saber o que é amor e solidariedade se não aprenderem isso agora?

Este é o desafio: fazer a nossa parte. Como? É muito simples e fácil: requer apenas que você tenha vontade de ajudar.

Dê uma arrumação no quarto de sua criança, veja os brinquedos com os quais ela não brinca mais e entregue-os para nós. Não se preocupe se estiverem com pequenos defeitos, pois faremos os reparos. Eles serão selecionados de acordo com a faixa etária a que se dirigem, embalados e distribuídos para as crianças que precisam.

Se você não tiver brinquedos usados, não fique triste: você também pode colaborar. As doações em brinquedos novos são sempre muito bem vindas. Ressalto que, para o nosso trabalho, a quantidade é sempre mais importante do que o preço.

Se você ainda não conhece o trabalho do Banco de Brinquedos do Rotary Clube Grajaú, faça contato conosco - terei o maior prazer em lhe dar maiores detalhes sobre a instituição. Em 2009, distribuímos quase 3000 brinquedos. E, com a sua ajuda, pretendemos aumentar muito essa quantidade para o período 2010/2011.

Conhecendo alguma entidade que faça um trabalho sério com crianças carentes e que precise desse tipo de ajuda, fale conosco, pois faremos todo o possível para colaborar.

Esperamos, com ansiedade, o seu contato.

Terezinha Miranda  (terezinhafgm@gmail.com)
Presidente da Comissão (Condomínio Orson Welles, apt 301)

 

                                                                                   Comissão:

    Terezinha                2284-0020

Luci                              2238-9348

Marli Sotero                 3278-3536

Monica                         9762-7538

Simone Garcia              8857-9248

Enviado por Luiz Carlos em Seg, 20/09/2010 - 22:23 , em

Dia 15 de julho de 2010 foi fundado oficialmente o INSTITUTO PAULO VIRIATO CORRÊA DA COSTA - IPVCC.

O IPVCC é uma associação sem fins lucrativos (OSCIP) criado pela família do Presidente de R.I. 1990-1991 Paulo Viriato Corrêa da Costa, com total apoio e participação da Sra. Rita Corrêa da Costa, com a colaboração decisiva dos Governadores Decanos Eduardo de Barros Pimentel D.4610, Antonio José da Costa D.4430 e Octávio Vallejo D.4420, dos Diretores de Rotary International desses Distritos, José Alfredo Pretoni e José Antonio Figueiredo Antiório, do Decano do Colégio de Diretores de R.I. no Brasil, Mário de Oliveira Antonino, do Presidente de Rotary International 1996-97 - Luis Vicente Giay e dos Rotary Clubs de Santos e de São Paulo – Parque do Ibirapuera.
A criação do Instituto tem como objetivo eternizar o nome do grande homem, brasileiro visionário e rotariano emérito, Paulo Viriato Corrêa da Costa, através de trabalhos voltados ao meio ambiente e educação.
Entusiasmados com o Projeto SHELTERBOX e com os atendimentos realizados no Alagoas e no Pernambuco, Cinthia Corrêa da Costa Machado, filha de Paulo Viriato Corrêa da Costa, e seu marido Gilberto Orsi Machado Jr - Presidente do RCSP - Parque do Ibirapuera, participaram do treinamento da Shelterbox realizada no último dia 31 de julho no Colégio Eduardo Gomes em São Caetano do Sul.
Cinthia e Gilberto puderam verificar que a SHELTERBOX além dos atendimentos possuí um programa de educação para jovens sobre catástrofes e voluntariado e viram a oportunidade de ligar o INSTITUTO PAULO VIRIATO CORRÊA DA COSTA – IPVCC que tem foco na Educação e Meio Ambiente com a SHELTERBOX.
Conrado Orsatti, coordenador geral da SHELTERBOX BRASIL disse que é uma honra ter uma parceria desse porte. O nome do maior Rotariano da história do Rotary no Brasil e no Mundo ligado ao nosso projeto mostra que estamos atingindo nossos ideais rotários.
Tanto a SHELTERBOX BRASIL como o INSTITUTO PAULO VIRIATO CORRÊA DA COSTA – IPVCC estão recém formados, mas a parceria promete grandes realizações com um objetivo único e singular que é DAR DE SI ANTES DE PENSAR EM SI.

Enviado por Luiz Carlos em Seg, 20/09/2010 - 00:06 , em

A Prefeitura Universitária da UFRJ, em comunicado de seu Prefeito, Hélio de Mattos Alves, abaixo transcrito, anuncia a realização do III Passeio Ciclísitico da Cidade Universitária. Aproveitem o primeiro domingo da Primavera para participar do evento. Inscrições podem ser feitas conforme consta do comunicado.

O III Passeio Ciclístico da Cidade Universitária será realizado no próximo dia 26 de setembro. O evento é uma iniciativa da Prefeitura Universitária da UFRJ em parceria com o Clube dos Empregados da Petrobras – CEPE, para proporcionar uma manhã de lazer e interação entre toda a comunidade acadêmica. O passeio começa às 10h e o ponto de partida será no Horto Universitário, entrada pela Av. Horácio Macedo.

O passeio que marca o encerramento da 1ª Semana da Árvore, de 21 a 26 de setembro oferece aos participantes a oportunidade de conhecer as transformações que estão ocorrendo na Cidade Universitária desde a implantação do Plano Diretor. Nesta edição do evento, grupo sairá do Horto Universitário em direção a Reitoria onde fará o retorno na Rua Pedro Calmon, entrará na Av. Horácio Macedo seguindo para o Alojamento Estudantil. Do Alojamento seguirá pelas ruas Maria Dolores e Luís Renato Caldas até a Estação de Integração e retornando para a Prefeitura Universitária.

A Prefeitura Universitária colocará um ônibus na estação do metrô Nova América/Del Castilho para facilitar o acesso dos participantes ao Campus a partir das 8h30. Aqueles que querem participar do passeio, mas não possuem bicicletas também podem pedalar, pois serão disponibilizadas 80 bicicletas. O equipamento será cedido por ordem de chegada e devolvido ao final do passeio.

Para se inscrever, os interessados devem enviar um e-mail para passeiociclistico@pu.ufrj.br com nome completo, idade e telefone para contato. A Prefeitura Universitária pede aos participantes, que puderem ajudar, para trazerem um quilo de alimento não perecível no dia do passeio. Os alimentos arrecadados serão doados ao Recomeçar, projeto social que atende crianças portadoras de doenças graves ou crônicas após alta hospitalar do IPPMG e que funciona com apoio da UFRJ.

Esta será a terceira edição do evento, o primeiro foi realizado em 15 de novembro de 2009, com a participação de cerca de 120 pessoas em prol do projeto “A Marcha Mundial pela Paz e a Não-Violência”, já o II Passeio Ciclístico aconteceu em 23 de maio deste ano e contou com 200 participantes que aproveitaram um domingo de lazer na Cidade Universitária.

Participe e traga seus familiares e amigos para participarem do III Passeio Ciclístico da Cidade Universitária!

Enviado por Luiz Carlos em Sáb, 18/09/2010 - 12:38 , em

No último dia 14 de Setembro, o Rotary RJ Ilha do Governador promoveu em sua Reunião Ordinária, palestra sobre "Obras na Ilha do Fundão e seus impactos na Ilha do Governador", apresentada pelo Arquiteto Ivan Ferreira Carmo, Vice-Prefeito da UFRJ e pelo Engenheiro Civil Paulo Mário Ripper, Subprefeito do Centro da Cidade/PU.

O Arquiteto Ivan Carmo discorreu sobre a implantação de uma nova ponte, do tipo estaiada, com 780 metros de comprimento e 200 metros de vão livre suspenso por 2.500 metros de cabos de aço, presos a uma coluna de 96 metros de altura, o que irá dispensar a necessidade de erguer pilares no leito do canal e ligará a Ilha do Fundão, próximo ao Caju, com a Linha Vermelha, sentido centro e zona sul. Isso representará, além de grande facilidade para escoamento dos veículos saindo da Cidade Universitária na hora do rush, um novo cartão postal da cidade, inclusive pela localização estratégica, na entrada do Rio de Janeiro.

A forma da coluna que vai sustentar a ponte faz alusão à fauna atingida pelo desastre ecológico ocorrido na Baía de Guanabara há 10 anos. Essa forma está baseada em uma foto veiculada à época do desastre, com uma garça coberta de óleo em razão do desastre ambiental.

A ponte servirá de saída para cerca de 25 mil carros, o que irá melhorar o tráfego, pois o fluxo será dividido entre os veículos que seguirão em direção à Zona Sul e à Zona Norte.

Ivan Carmo informou também, como de grande interesse para a Ilha do Governador, a construção, até o fim do ano, de uma estrada paralela à Avenida Brigadeiro Trompovski, o que vai desobstruir o trânsito em direção à Ilha e à Baixada.

Além desses assuntos, Ivan também abordou obras já realizadas dentro do Plano Diretor de Obras da Ilha do Fundão, entre as quais o Terminal Rodoviário de Integração, que deu fim aos grandes engarrafamentos que ocorriam na entrada da Ilha do Governador, à altura da passarela da Linha Vermelha e que visou dar melhores condições de acesso aos que trabalham na Ilha do Fundão, bem como àqueles que se utilizam do Hospital Universitário. Falou também dos 5 km de ciclovias que foram construídos, possibilitando o transporte ativo dentro da Ilha do Fundão, com o uso de bicicletas.

Após a exposição do Arquiteto Ivan, o Engenheiro Paulo Mário discorreu sobre as obras relacionadas com o Hospital Universitário, onde um dos blocos vem sofrendo processo de corrosão, por não utilização desde sua inauguração.

Informou que foram realizados diversos estudos para recuperação do bloco deteriorado pela ação do tempo, todos concluindo por operações elvadamente onerosas, o que levou à conclusão pela implosão do referido bloco.

O Engenheiro Paulo Mário passou então a discorrer sobre o processo de implosão que deverá ocorrer dia 19 de Dezembro do corrente ano, ocasião em que alguns procedimentos especiais deverão ser adotados, tais como fechamento da Linha Vermelha, ações sobre as operações da Infraero, podendo ocasionar o fecahamento do aeroporto Tom Jobim, Galeão. Os fechamentos aventados deverão ocorrer por pouco tempo, antes de depois da implosão.

Também foi explicado como será o processo de implosão, de modo a não causar danos físicos ao bloco geminado que ficará preservado, pois encontra-se em perfeitas condições de uso. A dinâmica do processo de implosão contempla o isolamento dos dois blocos, com a demolição mecãnica de uma parte do bloco afetado, com 21 metros de abertura entre os dois blocos, proceso esse que já está sendo feito, de cima para baixo, já tendo sido demolidos três andares do bloco atingido pela corrosão.

Após a apresentação seguiram-se perguntas pelos presentes, incluindo representantes de diversas ONGs atuantes na Ilha do Governador, que aplaudiram a iniciativa do Rotary RJ Ilha do Governador e parabenizaram os palestrantes pela clareza e didática como os assuntos foram apresentados.

As perguntas foram minuciosamente respondidas pelos palestrantes. Terminada a sessão de perguntas, o Presidente do Rotary RJ Ilha do Governador, Sérgio Maurício Fabri, agradeceu a dedicação dos palestrantes em trazer as melhores informações para o público presente, conferindo, em seguida, a cada um, diploma do Rotary Ilha do Governador, como agradecimento e registro do evento.

Veja o vídeo da ponte sobre o canal do Fundão aqui.

Enviado por Luiz Carlos em Sex, 17/09/2010 - 19:03 , em

A tentativa de uma rotariana canadense de 43 anos de atravessar o Lago Ontário, em agosto, arrecadou cerca de US$150.000 em prol da erradicação da pólio. 

No dia 7 de agosto, Thie Convery, associada do Rotary Club de Dundas, Canadá, chegou à metade da travessia, mas condições climáticas desfavoráveis forçaram-na a parar. Através da iniciativa Swim to End Polio, seu clube conseguiu angariar US$44.000 para o Desafio 200 Milhões de Dólares do Rotary. A campanha de arrecadação também inspirou outros clubes canadenses a contribuírem ao Desafio. 

Segundo William R. Patchett, presidente da Comissão da Fundação Rotária do Distrito 7070, os clubes do Canadá já doaram cerca de US$150.000, de acordo com dados de início de setembro. 

O esforço de Convery obteve grande cobertura da mídia. “Nosso objetivo era aumentar a conscientização das pessoas sobre a importância da campanha, o que com certeza conseguimos", disse. 

Convery, consultora financeira, disse que teve a ideia de atravessar o lago depois de uma conversa dos associados de seu clube sobre maneiras criativas de arrecadar fundos ao Desafio do Rotary. 

Motivação

Ela também foi motivada por sua amizade com dois sobreviventes da pólio: Sadique Alli, ex-associado do Rotary Club de Dundas, que contraiu a doença quando criança, na Índia, e agora caminha com a ajuda de um aparelho ortopédico, e Ramesh Ferris, do Rotary Club de Whitehorse, Canadá, que em 2008 atravessou o país em sua bicicleta de mão, arrecadando mais de C$300.000 para a erradicação da doença. 

Antes do treinamento, o máximo que fazia era nadar na piscina de sua cidade. 

"Eu não estava acostumada a nadar longas distâncias. Mas quando tive a ideia, há um ano, decidi começar a treinar", explicou Convery, que seis anos atrás entrou para o ranking nacional de fisiculturismo sem anabolizantes. "Estou acostumada a fazer atividades físicas, mas nada desse tipo." 

Depois de meses de prática, Convery completou o percurso de 19 Km no Lago Erie, em junho, o que a qualificou para sua travessia. O grupo voluntário Solo Swims of Ontario, que supervisiona pessoas que tentam nadar longas distâncias, avalia os nadadores e suas equipes para checar se estão preparados. 

No dia 7 de agosto, Convery começou a travessia do Lago Ontário por volta das 9h40, acompanhada por alguns barcos onde estavam sua equipe de apoio, médicos e salva-vidas. Cerca de 24 Km depois, e muito antes de chegar ao outro lado, sua equipe decidiu tirá-la da água. 

“Ela se esforçou muito", disse Karen Cumming, uma amiga, responsável pela publicidade do evento. "Se não tivesse sido pelo mau tempo, ela teria completado a travessia." 

Convery disse que não descarta a ideia de uma nova tentativa e que ficou impressionada pela dedicação de sua equipe e pelo apoio dos rotarianos. "Olhar em volta e ver as pessoas que doaram tempo, energia e dinheiro é algo muito recompensador. Nós fizemos a diferença. Não terminamos de cruzar o lago, mas com certeza fizemos a diferença. Pergunte às crianças que receberão a vacina antipólio se a iniciativa valeu a pena ou não."</p>

Enviado por Luiz Carlos em Sex, 17/09/2010 - 10:25 , em

Já está disponível o Boletim Semanal N° 8 do Rotary RJ Ilha do Governador, período 2010-2011.

Caso não consiga visualizá-lo, clique aqui para lê-lo em texto corrido.

Enviado por Luiz Carlos em Qui, 16/09/2010 - 19:29 , em
Syndicate content