Rotary RJ Ilha do Governador

O Rotary Faz a Diferença

Conheça o Boletim Semanal N° 18, do Rotary RJ Ilha do Governador, Distrito 4570 de Rotary International, Rio de Janeiro, Brasil, Período 2011-2012. Leia-o em formato revista, clicando na imagem abaixo. Caso não consiga, leia-o em texto corrido, aqui.



Enviado por Luiz Carlos em Qua, 23/11/2011 - 23:00 , em

O Rotary RJ Ilha do Governador realizou no último dia 16/10/2011, no Deck do Odilon, na comunidade de Tubiacanga, Ilha do Governador a festa pelo Dia da Ciança.

Estavam presentes na ocasião cerca de 400 crianças, acompanhadas por seus responsáveis, tendo sido sorteados presentes para todas as crianças. Dentre os brindes sorteados haviam computadores infantis, bicicletas, máquinas fotográficas, bonecas, jogos de cozinha e muitos outros.

A comunidade de Tubiacanga prestigiou de forma unânime e solidária a iniciativa do Rotary RJ Ilha do Governador, colaborando com a preparação do lanche oferecido e a participação de animadores e grupo de pagode.

Foi, sem dúvida, uma festa inesquecível para os participantes da comunidade, segundo palavras dos representantes dos diversos grupos comunitários presentes.

Veja o vídeoclipe.

Enviado por Luiz Carlos em Qua, 26/10/2011 - 08:38 , em

Para qualquer tipo de relacionamento (amoroso, familiar, corporativo etc.), para ter sucesso, é preciso que haja compreensão e respeito das duas partes. No trabalho, por exemplo, muitas vezes, ficamos calados ou deixamos para lá porque entrar em uma discussão acarreta o risco de perder o emprego que é tão importante. Ainda no ambiente corporativo, nos moldamos e esforçamos para incorporar mudanças, nos adaptar a novos colegas e flexibilizar nossas opiniões diante de novas ideias.

Entretanto, na família e no casamento, nos esquecemos de fazer o mesmo. Muitas pessoas fazem de tudo para manter o emprego e às vezes não prestam atenção em como estão as relações dentro de casa.

É preciso ter em mente que, assim como é importante prestar atenção e se adaptar às mudanças no trabalho para não ficar desempregado, é igualmente importante se adaptar às nossas mudanças pessoais e às pessoas de nosso convívio para não perder o casamento, a família e os amigos.

Atitudes como flexibilidade, compreensão, respeito às diferenças e a capacidade de compreender e aceitar mudanças devem estar presentes em todas as nossas relações pessoais. No início de um relacionamento amoroso, primeiramente ocorre a descoberta das semelhanças entre gostos, amizades, história de vida e valores entre o casal. Na sequência, percebe-se que, além das semelhanças, existem também as diferenças, e a convivência com elas exige uma adaptação das duas partes.

O tempo que essa adaptação demora a acontecer depende de cada um, pois, para que isso ocorra talvez ambas as partes precisem abrir mão de certas coisas em pró do outro. Essa é a construção de um relacionamento.

Pensamos que, passadas essas etapas iniciais de adaptação, tudo está acertado e é só manter o relacionamento como está. No entanto, não percebemos que no decorrer da vida as pessoas mudam e o que era verdade absoluta há 10 anos, hoje pode ser visto como bobagem.

Ou seja, assim como uma empresa, a política do casal e a filosofia de cada membro passam por mudanças e alterações com o decorrer do tempo. Nesse momento é preciso iniciar a reconstrução de um novo relacionamento.

Hábitos e rotinas sofrem alterações. Chegam e saem filhos, muda-se de casa, bairro, cidade ou até país, muda-se de emprego, de nível social etc., e essas mudanças afetam diretamente as pessoas envolvidas.

Frente a essas mudanças surge a necessidade do casal se adaptar novamente um ao outro, alinhar os pensamentos, fazer acordos, respeitar as diferenças e se flexibilizar para que continue havendo um bom entrosamento e o relacionamento não seja negativamente afetado.

Muitas vezes o casal não percebe a mudança em si e no outro e continua se relacionando da forma "antiga". Nesse ponto, conflitos podem surgir e, para que eles sejam solucionados, é necessário que haja um novo entendimento entre as novas semelhanças e diferenças.

Esse rearranjo deve ser constante em qualquer relacionamento, uma vez que as pessoas estão em constante modificação e transformação. No ambiente familiar, por exemplo, quando o filho casa, passa a ter um novo relacionamento com os pais e é preciso que todos construam uma nova relação.

Quando esse filho tiver filhos terá que construir uma nova relação com sua esposa e criar uma relação com o novo filho e assim por diante.

Portanto, para que qualquer tipo relacionamento não se desgaste e seja duradouro, tenha qualidade e não gere sofrimento e conflito para os envolvidos. Ele deve ser construído e reconstruído constantemente.

Fonte: Boletim Semanal N° 11 do Rotary Club de Lavras

Enviado por Luiz Carlos em Sáb, 08/10/2011 - 16:35 , em

Seus amigos e colegas de trabalho sabem que você é rotariano? Você fala sobre os trabalhos do seu clube? Você sabia que ao falarmos sobre nosso envolvimento com o Rotary estamos projetando a imagem e ampliando a conscientização pública sobre a organização? É dever de todo rotariano falar sobre o que o Rotary é, e faz.

Conforme apontou uma pesquisa sobre imagem pública feita em 2010, as pessoas sabem mais sobre o Rotary e o veem como uma organização "de bem" quando conhecem um rotariano. Isto é apenas um dos aspectos que podem moldar como clubes e distritos promovem Rotary.

A pesquisa foi feita com 1.000 pessoas em cada um dos países (Argentina, Austrália, Alemanha, Japão, África do Sul e EUA), visando entender qual era o conhecimento e a opinião pública sobre a organização. Os resultados são consistentes com os da pesquisa de 2006, indicando que os respondentes já tinham ouvido falar de Rotary, mas não sabiam exatamente o que o Rotary faz.

Pauline Leung, coordenadora de imagem pública do Rotary diz que acontece muito dos rotarianos fazerem muita coisa ao mesmo tempo, e sem querer acabam confundindo o público. "Deve haver uniformidade nas atividades de promoção do Rotary, e os rotarianos devem ser treinados para expressar claramente nossa posição no mundo, visão, valores e áreas de enfoque."

Conscientização alta, familiaridade baixa

O levantamento mostrou que a conscientização sobre o Rotary varia entre países e culturas. Dos seis países, a Austrália teve a proporção mais alta de respondentes (95%) que disseram conhecer o Rotary, e a Alemanha, a mais baixa (34%).

Mas saber da existência do Rotary não significa que a pessoa saiba o que o Rotary faz. Dentre os australianos que disseram conhecer o Rotary, somente 35% disseram estar familiarizados com a organização. Na África do Sul, 80% dos respondentes indicaram saber que o Rotary existe, mas somente 23% disseram saber um pouco do que a organização faz.

O relatório da pesquisa concluiu que os trabalhos de promoção de imagem pública devem ser específicos a cada país, e que o aumento da conscientização não é suficiente para que o público associe o Rotary com seus bons trabalhos, ou para gerar envolvimento comunitário.

Aspectos demográficos são determinantes. Considerando idade, sexo e níveis educacional e de renda, 67% dos respondentes japoneses de 40 anos ou mais ouviram falar do Rotary, enquanto apenas 38% com menos de 40. Na Argentina, 63% das pessoas de alto poder aquisitivo tinham ouvido falar do Rotary, comparado a somente 20% daqueles de renda mais baixa. Os clubes têm que identificar as maneiras de atrair o interesse de jovens profissionais.

Percepção pública e doação

A opinião pública dos rotarianos difere um pouco do que os rotarianos acham de si mesmos. Mais de 65% dos respondentes veem os rotarianos como caridosos, pessoas de respeito que se importam com o próximo, mas só 26% associam mulheres com o Rotary, que é metade dos 50% que associam a organização a homens, revelando que a maior parte acha que somos uma organização mais dominada por homens. Há de ser feito um trabalho melhor para divulgar que mulheres são mais do que bem vindas ao Rotary.

O interesse em contribuir tempo e dinheiro a um Rotary Club varia conforme o país. Este interesse é maior na África do Sul (49%) e baixo no Japão (10%). A idade também faz diferença. Os rotarianos precisam adaptar seu marketing para divulgar as iniciativas do clube em si.

O interesse público em se associar a um Rotary Club é baixo. Somente 16% dos respondentes disseram que provavelmente se associariam, e mais de 59% disseram o contrário. Nos Estados Unidos, as mulheres são menos interessadas em se associar.

Semelhanças

Há semelhanças entre grupos de enfoque feitos em 2008 e 2010. Os 40 grupos incluíram não rotarianos em cidades onde o Rotary está tendo declínio em seu quadro associativo. Leia mais sobre os resultados da edição de outubro/novembro de 2010 do Curtas do Quadro Associativo, ou leia o relatório completo.

“Como cada clube é independente quanto aos serviços que querem prestar, o público fica sem saber exatamente o que fazemos”, diz Pauline. “Os resultados das pesquisas reforçam a importância de se ter uma mensagem uniforme.”

O 1,2 milhão de rotarianos são o maior patrimônio da organização. Eis alguns recursos para clubes e distritos promoverem o Rotary:

  • Dicas para atividades de destaque.
  • Saiba como pedir um Subsídio para Relações Públicas. Encontre seu coordenador de imagem pública.
  • Saiba como planejar uma iluminação Elimine a Pólio Agora.
  • Veja melhores práticas em recrutamento e retenção.
  • Leia Seja um Clube Dinâmico: Seu Plano de Liderança de Clube.
  • Leia o Guia para Desenvolvimento do Quadro Social e as Ferramentas de Avaliação do Clube.
  • Use os recursos para desenvolvimento do quadro associativo.
  • Veja como identificar e reter associados.

Fonte: Rotary International - Mídia e Notícias

Enviado por Luiz Carlos em Sáb, 08/10/2011 - 12:59 , em

O Rotary Clube de Guimarães fez entrega de 15 desfibrilhadores automáticos externos a instituições públicas de Guimarães. Receberam os equipamentos a Tempo Livre, para o complexo de piscinas de Guimarães, A Oficina, para o Centro Cultural Vila Flor, a Câmara Municipal, para a Biblioteca Raul Brandão e seis pavilhões gimnodesportivos. Este programa foi o primeiro a receber certificação pelo INEM e é financiado pela Fundação Rotária Portuguesa e apoiada pela Liga dos Amigos do Serviço de Cardiologia do Hospital de Guimarães.

Veja o vídeo a seguir.

Fonte: Guimarães Digital.

Enviado por Luiz Carlos em Sáb, 08/10/2011 - 12:09 , em

O Rotary International nomeou a executiva de longa data da indústria farmacêutica Lori O. Carlson como nova diretora financeira, a partir de 3 de outubro.

Carlson supervisionará todos os aspectos das operações financeiras do Rotary International e seu braço beneficente, The Rotary Foundation, que têm receitas combinadas que ultrapassam $400 milhões e quase $1 bilhão em ativos. As áreas de responsabilidade incluem gestão financeira, planejamento e análise de finanças, tesouraria e investimentos, relatórios corporativos, serviços contábeis, seguros, administração de risco e compras.

Para ver o release completo, acesse: http://www.prnewswire.com/news-releases/rotary-international-announces-new-cfo-130851518.html

FONTE: Rotary International

Enviado por Luiz Carlos em Ter, 04/10/2011 - 16:50 , em
Conheça o Boletim Semanal N° 11, do Rotary RJ Ilha do Governador, Distrito 4570 de Rotary International, Rio de Janeiro, Brasil, Período 2011-2012. Leia-o em formato revista, clicando na imagem abaixo. Caso não consiga, leia-o em texto corrido, aqui.


Enviado por Luiz Carlos em Ter, 04/10/2011 - 16:08 , em

primeira shelter x no sudeste brasileiroO primeiro lote de tendas ShelterBox foi instalado para as famílias afetadas pelas enchentes devastadoras que atingiram o sudeste do Brasil. Na foto ao lado a jovem família de Daniel e Marilda foi a primeira a receber uma ShelterBox.

Membros da Equipe de Resposta ShelterBox (SRT) David Hatcher (Reino Unido) e Walter Filho (BRA) implantaram a primeira remessa de tendas na cidade de Rio do Sul que foi atingida cinco vezes por chuvas fortes. Como resultado, os rios subiram doze metros acima do seu nível normal submergindo oitenta por cento da cidade.

A água foi tão poderosa que casas inteiras se afastaram ou foram demolidas totalmente. Deslizamentos de terra também esmagaram casas e famílias ficaram sem abrigo.

A ShelterBox foi recebida em sua chegada pelo prefeito de Rio do Sul, Milton Hobus e o presidente do Rotary de Rio do Sul, Rodrigo Gadotti. A cooperação garantiu que o SRT fosse capaz de fazer uma avaliação completa, começando com uma avaliação de helicóptero, para identificar as famílias que estavam mais vulneráveis.

Uma vez que a avaliação foi concluída, significava que no momento em que as ShelterBoxes em estoque chegassem do Rio de Janeiro, a ajuda salva-vidas poderia ser distribuída de imediato para as famílias mais necessitadas.

A nova casa

Nas primeiras duas horas após a ajuda ter chegado, a primeira família recebeu um novo lar. Daniel Pires e Marilda tiveram sua casa completamente destruída. Juntamente com seus filhos, Bruna de dois anos de idade, Daniela de cinco anos de idade, e Everton de sete, agora eles têm abrigo, calor e dignidade que é tão vital na seqüência de um desastre devastador como esse.

David Hatcher, que está liderando a implantação ShelterBox, disse: "Ao receber uma ShelterBox Daniel estava preocupado com quanto isso iria custar para ele - assim, quando lhe foi dito que era um presente de pessoas ao redor do mundo que se preocupam com ele e sua família, ele se ajoelhou para agradecer."

"As crianças estão extasiadas com a sua nova casa, mesmo em um ambiente tão chocante, a bondade e generosidade de pessoas que fizeram isso acontecer trouxe um calor novo para seus corações."

A ShelterBox ainda identificará mais áreas seguras da região para entregar a ajuda restante para que mais famílias como a de Daniel e Marilda possam receber suprimentos salva-vidas no momento que elas mais precisam.


A ShelterBox é uma Organização Não Governamental sem fins lucrativos que provê abrigo, calor e dignidade às vítimas de desastres em todo mundo através de doações.  Por isso as doações são vitais para que a ShelterBox continue seu trabalho humanitário.

AJUDE! NÃO FIQUE SEM FAZER NADA. DIVULGUE ESSE E-MAIL – REPASSE AOS SEUS CONTATOS.

doe para shelter box Veja essa e outras notícias em: http://www.shelterbox.org.br/sbb/meuclube.noticias?noticia=134

Enviado por Luiz Carlos em Ter, 27/09/2011 - 13:02 , em

Conheça o Boletim Semanal N° 10, do Rotary RJ Ilha do Governador, Distrito 4570 de Rotary International, Rio de Janeiro, Brasil, Período 2011-2012. Leia-o em formato revista, clicando na imagem abaixo. Caso não consiga, leia-o em texto corrido, aqui.



Enviado por Luiz Carlos em Qui, 22/09/2011 - 10:47 , em

Katie Ischkin, uma rotariana de 28 anos, durante a Assembleia Internacional de San Diego, deu um maravilhoso depoimento a todos os governadores eleitos presentes.

Ela é fundadora do Rotary Club de South Metro Minneapolis Evenings, Minnesota, EUA e explicou a uma seleta plateia como quebrar tradições pode ser uma coisa boa.

A Compª. Katie, capa da Rotary Leader deste mês de setembro, ganhou a atenção dos dirigentes máximos do Rotary International por suas ideais revolucionárias e plenamente aceitas por este novo Rotary que começa a nascer. Na rede social de vídeos vimeo.com, onde existe um link especial do Rotary International, o vídeo de sua fala também se encontra postado, inclusive, com tradução para o português. Isso demonstra a preocupação de nossa organização em difundir, expor estratégias de desenvolvimento e expansão do Quadro Associativo para todos nós rotarianos. Acompanhe sua fala e depois dê uma "olhadinha" no vídeo.

"Tenho muito orgulho de ser rotariana e ex-rotaractiana. Fundei o Rotary Club de South Metro Minneapolis Evenings, Minnesota, EUA, que apresenta uma estrutura não tradicional para nosso distrito, porém as mudanças que estamos fazendo em nosso clube não estão alterando os valores da organização.

Como consultora de gestão, eu entendo que os Rotary Clubs tem medo de mudanças. Porém, os clubes devem fazer pequenas modificações, como em seus horários e locais das reuniões, estruturas dos programas, envolvimento dos associados e formato das comissões, para atrair associados mais jovens.

Nosso clube se reúne no final da tarde, o que não existia em minha cidade. Com minha profissão, não é possível que eu participe de reuniões durante o dia. Nosso clube também não inclui o jantar nas reuniões. Em alguns clubes, as refeições podem ser um problema, pois muitos de nossos associados não podem arcar com uma despesa a mais.

Também aceitamos que em uma sociedade jovem, temos um alto índice de associados que entram e saem dos clubes, principalmente porque a maioria ainda não se estabilizou na cidade ou profissionalmente. Não podemos deixar de convidar associados por medo que eles abandonem o clube. A tecnologia tem sido uma grande ferramenta para nosso clube. Temos usado Skype como uma maneira dos associados participarem de reuniões quando não podem estar “fisicamente” presentes nelas.

Nosso clube se reúne quatro vezes ao mês, mas não faz reuniões tradicionais toda semana. Para discutir nossas áreas de interesse, temos uma reunião tradicional na segunda semana do mês; a terceira reunião do mês é um evento de networking em diferentes locais da cidade; e a quarta reunião, algum projeto. Mesmo que nossos associados não possam contribuir economicamente, eles podem e querem ajudar oferecendo seu tempo e trabalho.

Através de pequenas mudanças, esta nova estratégia pode ajudar a atrair jovens associados."

Veja o vídeo com o depoimento de Katie.

IA2011 - Katie Ischkin - PT from Rotary International on Vimeo.

Fonte: Boletim Semanl N° 08 do Rotary Clube de Lavras.

Enviado por Luiz Carlos em Ter, 20/09/2011 - 14:05 , em